domingo, 15 de março de 2009

Aqui o poeta conta como um amor desfeito maltrata um coração apaixonado.

Amor desfeito

Se você me perguntar
Por vivo deste jeito
Cabisbaixo e muito triste
Cheio de mágoa no peito
Respondo é uma dor
Causada por um amor
Que deixou tudo desfeito.

Este alguém que me deixou
Mexeu muito com meu ser
Já não sou aquele homem
Que gostava de viver
O riso solto, olhar brilhante
Se tornaram tão distante
Que logo dá pra perceber.

Eu a queria só pra mim
Mas o destino não quis
Não desejo mal a ela
Mesmo eu sendo infeliz
Quero que encontre alguém
Que a possa amar também
E a faça bem feliz.

Ainda guardo na lembrança
Quando ela disse assim:
- Me desculpe, neste instante,
Não tenha raiva de mim
Sei que não o quero mais
E não esqueça jamais
Que tudo chegou ao fim.

Prosseguiu com seu relato
Que eu nunca queria ouvir
Pedindo compreensão
E querendo se redimir.
Quis olhar nos olhos seus
E dar-lhe um beijo de adeus
Mas não pôde permitir.

Segurei na sua mão
Mas não fui correspondido
Disse a ela eu te amo
Mas ela não deu ouvido
Numa ânsia quase louca
Quis beijar a sua boca
Pela paixão envolvido.

Insisti... Beijei seus lábios
Mas não tive o mesmo gosto,
Me desgrudei do seu corpo
Cheio de mágoa e desgosto
E dela assim, me afastei
Pois juro que derramei
Muitas lágrimas no meu rosto.

Faz anos que não a vejo
Nem tenho notícia dela
Mas aos poucos vou curando
A saudade que me atrela
A um amor que perdi
E depois nunca senti
Uma paixão igual aquela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário